terça-feira, 24 de março de 2009

Visita do Chefe...

Visita relâmpago do "boss" à Praia... não, não é o "boss" mesmo... é o outro...

Anyway... visita definida só na semana passada, correria danada pra preparar tudo, muitos contratempos, a embaixadora doente no Brasil (melhoras, chefe!) e o Rocha da comunicação quebrou o pé no domingo (tipo, se vc tem mais de 45 anos, vc nem devia mais correr... ANDE, que vc evita essas palhaçadas... mas ninguem me ouve...).

Chegado o dia, e a equipe se divide... eu e o Fabricio vamos pro hotel no início da tarde pra preparar os computadores e verificar os quartos. Checamos tudo, nenhum quarto é FENOMENAL, mas de maneira geral são melhores que a maioria das pousadas em Canoa Quebrada... Aproveitamos pra ligar o ar condicionado pra deixar os quartos com uma temperatura aceitável...

Como no quarto do chefe não ia ter computador, nos concentramos nos outros, depois que o pessoal que alugou o equipamento chegou (com mais de 1 hora de atraso). Só que a rede do hotel é wifi... e saca quando pobre decide que tem de ser fodão, mas não tem como manter? Rede fora do ar e sem previsão de retorno... se tivesse uma tomada de rede em cada quarto e um mísero servidor, não tinha esse problema... mas, novamente, ninguem me ouve!

Depois de muito bater cabeça e reclamar, o mestre jedi Fabricio McGyver improvisou uma rede wifi com dois clipes, um chiclete de menta, uma lata de pringles, duas coca-colas grandes e um prato de batata-frita (é que deu fome!). Bom, na verdade foi uma mini-rede com um modem USB e um roteador emprestados, mas foi bem bolado mesmo assim... Só que a rede não alcançava os 4 quartos da delegação, só 3! Escolha de Sófia pra decidir quem ia ficar sem net... o pobre do secretário sobrou (quem mandou ser o último da cadeia alimentar?).

Com isso, já as 18hs, faltando 2 pra chegar o ministro, descobrimos que o ar condicionado do quarto dele (que era melhor que os da comitiva, porque ele ia receber umas autoridades locais e precisava de uma "salinha") está quebrado... pedimos pra trocar, e somos atendidos de má vontade... pequeno bate-boca e chegamos no novo quarto, que está recém-ocupado (leia-se casca de banana na mesa, lençois no chão, toalhas usadas, banheiro molhado e o sofá de camurça mais sujo do mundo... tenho certeza que alguem limpou a bunda lá!).

Proposta do rapaz: O pessoal da limpeza vai demorar, mas o ministro pode esperar no outro quarto, o sem ar condicionado, enquanto eles terminam aqui! E na bundinha, não vai nada?

Pergunto novamente na recepção o que pode ser feito... um novo quarto, uma suíte melhor, uma barraca do lado da piscina? Resposta: NADA, é o último quarto disponivel... está tudo lotado.

Nova escolha: Ministro dorme no quarto sem ar condicionado ou recebe as autoridades no quarto com o sofá sujo de bunda?

Resposta: Rodar a baiana na recepção do hotel! Mais de 15 minutos de bate-boca e vários telefonemas do recepcionista, que JURAVA que não tinha quarto nenhum, e finalmente abrem o jogo... só tem a Suite Presidencial. E só pode ficar nela até amanhã.

Cheguei a duas conclusões:

a) Alguem anda espalhando por ai que o Brasil está quebrado, e não tem dinheiro pra pagar hotel (até porque a porcaria da suite custa menos que muito hotel 3 estrelas em NY);

b) O mané da recepção não entende o conceito de VISITA RELÂMPAGO. Eu já tinha dito que o pessoal ia sair amanhã por volta de 9hs, e que possivelmente iam direto da reunião da manhã pro aeroporto... Mas alguém me ouve?

Enfim, depois de engolir em seco pra não xingar o rapaz de um monte de nomes feios, subimos na suite... muito legal, por sinal, e inspecionamos tudo pra impedir novos micos... tudo em ordem! Quase 8 da noite, acabou, né?

QUE NADA! Corre em casa, toma banho, come qualquer coisa, se veste correndo e volta pro hotel! Recebemos a delegação um pouco depois das 21hs. Cheguei finalmente em casa quase 23hs. UFA!

E amanhã começa de novo... mas pelo menos minha parte é só levar a tripulação do jato pro aeroporto :)

6 comentários:

Rafael Spin disse...

JM,
tô com tanto ódio do povo do CV que entendo como você deve ter se sentido. Sério, esse povo não sabe preencher uma ficha de inscrição da rodada de negócios do SEBRAE, tudo incompleto. Porém, mesmo assim pretendo visitar vocês aí quando der!
abraços

Helga disse...

Quando vc falou em visita eu pensei em pétalas jogadas por jovens virgens pouco vestidas. Ou vc, à caráter, de sapatos com meias altas, bermudão cáqui, camisa pólo cáqui (opção para o colete cáqui) e o chapeuzinho cáqui. Ah, óculos Ray Ban. E um jipe. É assim qeu visualizo voces indo me buscar no aeroporto! :P Heheheheeh

Ótima opção a de rodar a baiana na recepção. Ô povinho.

Diz pro moço da recepção que ele tá confundindo, não somos nós que temos papéis podres/sem fundo por aí.

Clarissa disse...

Como assim levar do jato pro aeroporto?

João Marcelo disse...

a "tripulação do jato" para o aeroporto... podia ter sido mais explicado, né? :)

Clarissa disse...

Kkkkkkkkkk!!! Tava na cara, né?! Mas nem me passou pela cabeça (confesso que algumas vezes não conseguia entender onde estava a ambiguidade nos exemplos das aulas de redação)... Fiquei pensando assim: tu - no meio da pista - dando uma carona pra galera, do avião até o aeroporto :o)

... disse...

Hahaha, João, excelente! Um dos melhores posts!